segunda-feira, 14 de abril de 2014

Arroz de Lampreia à moda de Entre-os-Rios


Ou se ama ou se odeia. A temporada da lampreia prolonga-se este mês e tendo eu comido uma única vez em criança e vivendo em zona onde esta iguaria gastronómica vira cartaz turístico, dando origem a um festival, tinha de experimentar em adulta confeccionar e eu própria (com as indicações da mãe) e formar a minha opinião sobre este petisco pouco consensual. A verdade é que este ciclóstomo de água doce ganhou mais fãs cá em casa. Deixo aqui a receita à moda de Entre-os-Rios.

Ingredientes:

1 lampreia de tamanho médio
1 dente de alho
200 ml de vinagre de vinho tinto
Pimenta e Sal q.b.
6 colheres (sopa) de azeite
1 cebola 
500 g de arroz
Salsa q.b.

Preparação

Escaldar a lampreia em água a ferver raspando levemente com uma faca limpa a viscosidade que lhe cobre a pele. De seguida, amanha-se da seguinte forma, enquanto se aproveita o sangue para um alguidar: corta-se-lhe a cabeça e retira-se um pequeno nervo que tem junto à mesma. Dá-se-lhe um pequeno golpe na parte superior da lampreia e outro junto ao umbigo a fim de lhe ser extraída a tripa juntamente com o fel.

Corta-se a lampreia em pedaços de mais ou menos 6 cm de comprimento e coloca-se num alguidar com o sangue. Tempera-se com o dente de alho picado, o vinagre e sal e pimenta. Deixa-se tomar gosto durante algumas horas.

Faz-se um refogado com a cebola e o azeite e põe-se os bocados de lampreia  a refogar em lume brando, durante o tempo que achar necessário (a lampreia demora entre 45 minutos a 1 hora a cozer, vai-se espetando com um garfo e deve-se ter em conta que ela irá também cozer durante o tempo de cozedura do arroz) e ir adicionando a marinada à medida que for preciso. Depois de bem apurado, adiciona-se a pouco e pouco a água que for necessária para a calda do arroz, tendo em conta que este deve ficar malandrinho.

Rectificar os temperos e juntar o arroz com o raminho da salsa e deixar cozer lentamente em lume muito brando.

Bom apetite!

5 comentários:

sandra neiva disse...

Não gosto não comi quando era muito mais nova e acho que só não meti lixívia na boca porque não deixaram!!
No entanto sei o valor gastronómico que cada região lhe confere e ainda bem que assim é.

beijinhos

Bombom disse...

Olá Isabel, tenho a certeza de que se tivesse provado essa sua iguaria, também ficava fã! Nem toda a gente se pode gabar de saber confeccionar um Arroz de Lampreia assim como esse que saíu das suas mãos! Os meus Parabéns!
Onde vivo não é fácil encontrar e muito menos saber fazer, mas há uns anos, rumámos ao Norte e fomos a um Restaurante onde pedimos esse prato e foi uma total desilusão: mal cozido, seco, sem esse molhinho que lhe dá "vida".
Já o seu, está com um aspecto fabuloso! Adorei. Um abraço da Bombom

Isabel disse...

Olá Sandra,
eu não me recordo muito bem da impressão com que fiquei enquanto criança. A verdade é que há muita gente que não aprecia. E por isso quis formar a minha própria opinião, cozinhando-a eu. Lembrou-me um arroz de cabidela, mas com um travo a peixe e gostei :) Agradeço o seu comentário e visita. Um grande beijinho e votos de uma Feliz Páscoa!

Querida Bombom, que felicidade por ler aqui as suas tão generosas palavras! Na verdade, ele ficou com este aspecto porque a mãe que é excelente cozinheira, deu-me as instruções certas! Penso que muitas vezes não se gosta de um determinado prato, porque a primeira experiência não correu muito bem. Fica aqui um convite para que aquando de uma próxima visita da Bombom ao Norte, e estando na época da lampreia, me dê o duplo prazer de a confeccionar aqui para a minha querida Amiga e assim conhecê-la também:) Um grande beijinho e votos de uma excelente Páscoa! Muito Obrigada pela sua visita.

kika disse...

Provei á dias feita pelo meu sogro e gostei bastante! sei que têm preceitos para se fazer, nem vou tentar... deixo para ele! mas ficou assim tal como o teu prato, apetitoso!! bjs

Isabel disse...

Olá Kika, parece complicada mas metendo a "mão na massa" acaba por se revelar bem fácil de se fazer. O segredo está no momento de amanhar e temperar o peixe. O resto do processo assemelha-se a um arroz de cabidela. E claro que se a Kika gostou, é porque o sogro conhece bem todos estes preparatvos e fez assim um arroz bem delicioso! Obrigada pela visita e um grande beijinho. Uma Páscoa Feliz!